A huge collection of 3400+ free website templates JAR theme com WP themes and more at the biggest community-driven free web design site
Início / Destaque / Ao comprar um imóvel em Goiânia, conte sempre com uma boa proteção jurídica

Ao comprar um imóvel em Goiânia, conte sempre com uma boa proteção jurídica

Embora o mercado imobiliário de cada cidade do país tenha suas próprias peculiaridades, as precauções que devem ser tomadas antes do fechamento da compra de um imóvel são bastante semelhantes. E, neste caso, contar com uma boa proteção jurídica é imprescindível, de modo que os mesmos erros não repetidos uma e outra vez pelas pessoas.

 

Pensando nisso, separamos neste post algumas dicas importantes, compreendendo que o processo de aquisição imobiliária envolve diversas decisões em cada uma de suas etapas, desde a definição de quanto o comprador realmente pode pagar, de qual propriedade deseja até a parte burocrática, como o preenchimento da papelada para conseguir um financiamento bancário e registrar o imóvel adequadamente.

 

Com base nessa realidade, separamos algumas das armadilhas em que os compradores de imóveis em Goiânia tendem a cair e demonstramos assim, os motivos que fazem com que a escolha de um bom advogado para ler seu contrato e orientá-lo nesse processo de compra é fundamental. Acompanhe!

 

 

  1. Evite problemas de cobrança judicial: calcule seu limite de orçamento

A pior coisa a se imaginar ao comprar um imóvel, é passar por dissabores com ele. E isto envolve o aspecto jurídico, especialmente quando se trata de ter um oficial de justiça batendo à sua porta para realizar a cobrança de alguma dívida. Por essa razão, tenha sempre muito bem estipulado o seu planejamento financeiro, para evitar esse tipo de dor de cabeça. Ou seja, na hora de comprar seu imóvel novo, use a regra dos 30%. A regra dos 30% consiste em calcular o valor mensal que você pagará ao banco pelo empréstimo bancário e impedir que ele exceda 30% de sua renda disponível. Fácil? Bem, não é. O erro é pensar que 30% se refere a 30% do seu salário mensal. Este 30% deve ser calculado sobre o dinheiro disponível no seu bolso e não o total dele. Então, deve ser calculado somente após o pagamento de outras dívidas fixas, como a escola de um filho ou o financiamento de seu carro. Apenas quando você descontar esses pagamentos, poderá calcular se o pagamento mensal da dívida imobiliária não excede os 30% do seu orçamento disponível.

 

 

  1. Adiantamento muito baixo

Certamente, para quem vai comprar casas à venda em Goiânia, o mais difícil é coletar dinheiro suficiente para o pagamento inicial, o chamado sinal de “entrada”, como dizem aqui no Brasil. A ideia é dar a maior entrada possível, para que a dívida com o banco seja o mais baixa possível. Mas, na realidade, como é difícil coletar um quarto ou um terço do valor total do novo imóvel, os bancos oferecem muitas alternativas que não são recomendadas, pois elas vêm carregadas de juros que vão fazer o preço final do imóvel subir às alturas, sem que ele tenha se valorizado por isso. Ou seja, é um dinheiro que você irá pagar para o banco, que não representará o valor da sua nova da propriedade. E isto conveniente para o banco, porque você pagará mais juros. Evite cair na farsa da publicidade que repassa mensagens como “compra sem depósito de sinal”. Nesses casos, os bancos incluem o valor do depósito no empréstimo bancário, com uma taxa de juros ainda mais alta. Por isso, para analisar as taxas de juros, conte com ajuda jurídica especializada! Não assine nada sem ler e sem pedir esclarecimentos a um consultor.

 

 

  1. Esteja atento aos custos de cada transação jurídica

Além de pagar o valor do imóvel adquirido, o comprador deve arcar com os custos da transação do sinal, dos valores mensais do financiamento e também as taxas de cartório, impostos, comissão de corretores e intermediários, etc. Esses custos devem ser subtraídos do depósito inicial que você tem disponível. Por isso, não ofereça como sinal tudo o que tem. Calcule tudo o que precisará gastar com a documentação jurídica, taxas e comissões. Como muitas pessoas não consideram esses valores ao adquirir um imóvel, quando chega a hora de fechar o negócio, elas surpreendentemente se chocam e tudo vira uma bola de neve já no momento da assinatura do contrato. E é aí que os bancos oferecem uma nova solução “amistosa”: aceitam incluir esses custos em seu financiamento. Especialistas recomendam evitar isso, até porquê depois essa dívida se tornará um juro a mais que se estenderá por 15 ou 30 anos.

 

 

  1. Cuidado com empréstimos junto a construtoras

Se você for comprar apartamento em Goiânia ou uma casa nova, é muito comum que as empresas de construção (ou imobiliárias) encarregadas do projeto ofereçam o processamento do empréstimo de financiamento. O argumento mais comum é que eles podem executar os procedimentos de maneira mais rápida e até obter uma taxa de juros mais baixa, porque eles têm algum tipo de contrato especial com um determinado banco. O problema é que este banco não oferece necessariamente o melhor financiamento para você. E, nesse sentido, a regra básica é comparar pelo menos dois ou três bancos antes de tomar qualquer decisão.

 

  1. Atenção à sua cobertura de seguro imobiliário

Este ponto é geralmente considerado como algo menor dentro do contrato. Geralmente, o crédito de financiamento bancário inclui o pagamento de seguro contra eventos inesperados em seu imóvel, como incêndio. Mas há momentos em que a cobertura se aplica apenas sob certas condições. É o suficiente para que ocorra um desastre, para você perceber que a proteção não era o que você pensava. O outro ponto é que existem catástrofes não incluídas diretamente no seguro, por exemplo roubos ou arrombamentos. Esteja muito atento!

 

 

  1. Evite negociar qualquer coisa verbalmente

Existem muitos outros elementos que também devem ser considerados antes de comprar uma casa. Especialmente acordos verbais, que podem ser difíceis de demonstrar que existem. Basta que outro comprador mais atraente apareça e a palavra acordo seja esquecida. E algo que é sempre necessário, mesmo que você precise pagar um dinheiro extra, é pedir a um técnico independente para inspecionar a condição real da casa, quando ela é uma casa usada. Alguns podem ter danos estruturais não visíveis, encanamentos ou problemas no sistema elétrico. Além do mais, peça recibos de todos os pagamentos de sinal realizados ou de qualquer dinheiro que entregue ao vendedor. Tendo qualquer dúvida, esclareça sempre tudo detalhadamente com seu advogado!

 

 

Gostou destas dicas? Aproveite e compartilhe este post em suas redes sociais!

Sobre bruna

Veja também

Recicla Ceres: Prefeitura inicia a implantação do programa de coleta seletiva no município

“Meio Ambiente, direito de ter, dever de cuidar”, com essa premissa a Prefeitura Municipal de …